O Mercado Único foi instituído no âmbito da União Europeia e entrou em vigor a 1 de Janeiro de 1993, este estabelece-se em quatro princípios fundamentais:
  • livre circulação das mercadorias, dos serviços, dos capitais e das pessoas entre os estados-membros da União.

A criação do Mercado Único veio facilitar as trocas e, de uma maneira geral, o contacto entre os países-membros, e reforçar a importância da União enquanto principal potência comercial do mundo ,atribuiu uma base interna mais sólida no cumprimento das suas responsabilidades internacionais e na defesa dos seus legítimos interesses comerciais considerando que um dos objectivos do Mercado Único consistiu em fomentar a concorrência dentro da União, tomando simultaneamente em consideração os interesses públicos e os interesses dos consumidores.
Para os mais altos responsáveis das instituições europeias, a União Económica e Monetária (UEM) e a criação da moeda única
(o euro ,entrada em vigor em 01.Janeiro.2002) surgem como o seguimento natural da criação do Mercado Único, na medida em que lhe deverão permitir funcionar com a máxima eficácia.
A União Económica e Monetária (UEM) representa um passo fundamental e importante para a integração das economias da União Europeia isso implica a coordenação das políticas económicas e orçamentais, uma política monetária comum e uma moeda comum. Embora os 28 Estados Membros da UE participem na união económica, alguns países levaram o processo de integração mais longe, tendo adoptado o euro. Estes países formam a zona euro.
Considerando ambos os tópicos o Mercado Único e a União Económica Monetária ambas politicas permitiram que a população Europeia circule por toda zona Euro usufruindo da possibilidade de comprar bens ,usufruir de serviços entre outros utilizando sempre a mesma moeda (euro) ,facilitando actividades como o turismo.
Enumeros tópicos que foram permitidos por ambas as politicas foram a eliminação dos riscos cambiais ,ou seja ,eliminação da possibilidade das taxas de câmbio entre moedas dos países exportadores e importadores se moverem adversamente entre a data da cotação e a data da liquidação de um negócio ,ou a possibilidade de uma perda ou de um ganho resultante de uma variação nas taxas de câmbio entre moeda , a facilitação que a união económica monetária permitiu ao mercado único ,facilitando as compras/vendas etc.Os custos de transacção também diminuíram porque como a moeda é única não é necessário trocar a moeda para liquidar direitos alfandegários , entre outros e com isso a transparência de mercado também aumentou possibilitando aos agentes económicos o amplo conhecimento sobre a oferta de bens e serviços negociados no mercado (incluindo as características intrínsecas desses bens ou serviços, disponibilidade, preço e localização.)


http://www.portaleducacao.com.br/contabilidade/artigos/43126/o-que-e-o-risco-cambial#ixzz47gu1WtXv
*nossos apontamentos
http://www.infopedia.pt/$mercado-unico
http://ec.europa.eu/economy_finance/euro/emu/index_pt.htm


OK.